quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Ando um bocado desorientada com algumas coisas que se têm passado à minha volta, daí este silêncio. Não que alguém tenha dado pela minha falta, mas pronto.
Viram aquela notícia da mãe que se atirou da A24 com uma bebé na noite de Natal? Pois, a M. era minha colega. Não de curso, mas tínhamos muitas cadeiras em conjunto e ela costumava estar muitas vezes com o pessoal do meu curso e falámos e saímos juntos bastantes vezes.
Quando a notícia me atingiu a primeira vez pensei "Mais uma esgazeada, não chegava matar-se a ela ainda quis matar a filha!"
Depois no dia seguinte falei com uma colega de curso que me disse "Viste a notícia? Foi a M. que costumava andar connosco." Aqui já me atingiu de outra maneira.
A M. era uma pessoa normalíssima, divertida, descontraída, aluna média, nada que encaixasse num perfil depressivo ou suicida.
Afinal a doideira não atinge só pessoas assim, com tendência para a doideira. Afinal a doideira pode atingir pessoas normais. Como a M. Como o meu marido. Como os meus filhos. Como eu. E foi isto que me deu a volta ao miolo. Isso e a bebé ser da idade da Minúscula. (O meu cérebro prega-me partidas do camandro e quando lhe chegam notícias de desgraças com crianças trata logo de me fazer visualizar os meus filhos nessas situações. Fico doente, danada comigo mesma.)

5 comentários:

Fi disse...

não tinha visto a notícia e fui à procura. Acredito no desespero da mãe, mas já pensaste na menina com 20 meses e uma perna partida pelas 4h da manhã? Nem gosto de pensar.. por maior que seja o desespero da senhora a criança ficou sem mãe e poderia ter morrido. Realmente é preciso estar-se completamente louco. Se se queria matar que o fizesse sozinha. Enfim, são situações trágicas que não devemos julgar as pessoas, é verdade, mas não consigo deixar de ficar irritada sem perceber porque raio queria levar a bebé atrás!

Full-time Mom disse...

É o que também acho Fi, que é preciso estar-se completamente louco...

mãe pimpolha disse...

É horrivel mesmo e é como tu dizes pode atingir qq pessoa.
Feliz ano novo.
Beijocas

A mamã da Beatriz... disse...

Não vi nada na tv... mas que horror... E sim a depressão atinge qualquer pessoa e ás vezes é tão "silenciosa" e mata...
Beijinhos e um feliz 2012!

Sofia disse...

Atinge qualquer pessoa, infelizmente tb conhecia a mãe daquele menino de 6 aos cujo pai se atirou para a linha de comboio com ele. Queria castigá-la pela separação e conseguiu :(
Bjs