quinta-feira, 19 de julho de 2012

um velório perturbador

Esta semana fui ao velório da sogra de uma amiga. A senhora já era idosa, estava doente e em sofrimento há vários anos, foi uma caridade de Deus...
Mas vim de lá desfeita. A senhora tem um filho já de 40 anos com síndrome de Down e nos últimos anos, com a impossibilidade da restante família os ter ao seu cuidado, estavam os dois num lar. Ele é um amor de menino (será sempre um menino, para nós que o conhecemos), muito querido e trabalhador, em casa ajudava a mãe em tudo, lavava, cozinhava, vinha todos os dias despejar o lixo ao contentor perto da casa da minha mãe. Ele estava lá no velório e era uma dó, chorava, agarrava-se à mãe, fazia-lhe festas e pedia-lhe que o levasse com ela... Até hoje poucos velórios me perturbaram como este.
Também eu tenho um irmão deficiente e tenho muito medo que um dia que os nossos pais nos faltem, não tenha disponibilidade para tomar conta dele. :( E tenho receio da reacção dele a uma coisa assim, de se ver sem pais, de ter de passar algum tempo numa instituição se eu estiver a trabalhar, ou eu até não ter possibilidades financeiras... Não sou pessimista e raramente penso nisto, mas quando penso é coisa que me deixa mesmo em baixo.


**********

E porque a vida não é só tristeza, muito pelo contrário, deixo aqui uma grande beijoca de parabéns à minha amiga Rita pela nova gravidez não de um, mas de dois pimpolhos!!! YAY!!!

6 comentários:

Maggie disse...

Infelizmente e normal que te deixe assim, no fundo e teu irmao e sentes que tens e deves apoia-lo se os teus pais um dia faltarem, e normal a teu preocupaçao.
desejo tudo de bom

Maggie

Magui disse...

Recentemente uma amiga da minha mãe também perdeu a mãe e tem um irmão na mesma situação! Custa-me tanto saber destas coisas!
Um beijinho de força e o futuro há-de ser o melhor possível

Silvana Santos disse...

Espero que tenha uma vida feliz mas acredito que vai ser muito complicado. Precisará de grande apoio.

Sónia disse...

Deve ser bem doloroso passar por isso :(

Gaiatas disse...

Imagino como tenhas o coração pequenino.
Mas o teu sentimento é normal, pois não sabemos como será o nosso futuro..

uma beijoca apertada ❤

mãe pimpolha disse...

Fiquei com o coração do tamanho de uma ervilha. Obrigada, pá, ainda nem estou em mim.
Beijocas